Leia mais: http://www.mundodarkness.com/2010/07/codigos-bloquear-conteudo-no-blog.html#ixzz0xHGCB0DY
"Analisa bem quem é teu amigo, porque se o consideras como tal e ele não o for, pode muito bem ser o teu principal inimigo"

Anónimo
_____________________________________________

Vai ser publicado este sábado um especial dedicado ao concelho de Arganil, no jornal O Norte Desportivo. De entre os textos que foram feitos por mim, destaco este, da freguesia de Benfeita que, depois do Piódão, é a mais bonita do concelho. Espero que gostem do texto...

Abençoada pela natureza


“Tenho por graça, essa graça feia. Fonte das moscas, é demais grotesca. Porém, ao povo desta minha aldeia, eu pago a graça, dando-lhes água fresca. E, ao visitante que até mim chegar, sacio-lhe a sede, fico satisfeita e dou-lhe ainda, para admirar a minha aldeia, a linda Benfeita”.
Fernando Ferreira, 1985


Conta-se que há muito tempo atrás, o nome desta povoação seria Valverde, termo atribuído devido ao aspecto concedido pela baixa de castanheiros que envolvia o aglomerado populacional. A «estória» continua, embora com algumas variantes, que a mudança da designação se deve a uns senhores, donos de um castelo das proximidades, que quando avistaram uma capela (a de Santa Rita, para uns; a da Senhora da Assunção, para outros), ficaram deslumbrados e exclamaram: “Quem bem feita!”. Esta expressão foi ficando e, as casas da localidade e as que aí se erguiam, passaram a ser conhecidas por Benfeita. Todavia, na realidade, aquele termo deverá relacionar-se com um vocábulo oriundo do verbo benefacere ou outro equivalente, que foi sofrendo transformações. Daí resultou uma gradual adulteração, até que chegou à palavra Benfeita, como hoje nos surge.
É do alto da fonte das moscas que se obtém a melhor visão da freguesia. E é, com a água que ali corre que nos refrescamos e nos refugiamos do calor abrasador.
António Quaresma Martinho, aos 70 anos de idade, está no seu segundo mandato como presidente da junta de freguesia. Depois de uma vida passada na África do Sul, decidiu voltar e trabalhar em prol da sua terra. Ao fundo da fonte das moscas, à sombra de um chorão que, alguém, ali plantou já lá vão uns bons anos, conta-nos que Benfeita é terra muito antiga. Com efeito, os primeiros documentos conhecidos, datam de 1195 e tratam da compra desta terra por Pedro Salvador que, mais tarde, a doou aos bispos de Coimbra, que lhe deram foral a 17 de Maio de 1300. É terra conhecida pela indústria artesanal das colheres de pau que transformam pequenos pedaços de madeira num utensílio útil para as práticas culinárias. A Benfeita é também uma terra de grande beleza paisagística. Acolhe dentro de si dois locais dos mais belos deste concelho de Arganil: a Mata da Margaraça e a Fraga da Pena, de que falamos mais à frente.
Vasco Campo, a 21 de Março de 1989 escreveu: “Benfeita dos olmos verdes e ribeiros cristalinos. Tem bençãos de amor e paz, no doce tanger dos sinos”, referindo-se à Torre da Paz. Construída logo após o fim da 2ª Guerra Mundial, em 1945, baptizada de Torre Salazar, a torre que coroa a aldeia, passou a chamar-se Torre da Paz após o 25 de Abril de 1974. António Quaresma Martinho diz-nos que, todos os anos, no dia 7 de Maio, pelas 14 horas, o terminus desta guerra, a torre está programada para dar 1620 badaladas, tantas quantas os dias que a guerra durou. Diz quem já ouviu que é um espectáculo auditivo e que dura aproximadamente duas horas. Será no âmbito do Programa das Aldeias do Xisto, que a aldeia de Benfeita irá ser recuperada. Para começar, a Torre da Paz já se encontra completamente remodelada. Depois, seguir-se-á a pavimentação de todas as ruas da aldeia e as infraestruturas para águas pluviais. As alterações também se farão sentir na electricidade e nos telefones, na medida em que todos os fios serão subterrâneos. De referir que, este projecto, previsto para dois anos, teve o seu arranque no ano passado e já se encontra parcialmente adjudicado.


Uma paisagem única


Aqui se separam as beiras, num alinhamento serrano, da Estrela até à Lousã. À dita fria, alta e nevosa, não sobem com frequência os de cá do fundo, para a conhecer. Recebem novas pelo vento que lhes ajoelha o milho e pela água das enxurradas bruscas de Outono.
A serra do Açor escolhe os mais fortes, nas temperaturas dos seus cumes que acolhem o ar húmido na sua longa viagem sem barreiras, desde o oceano, elevando o teor de humidade atmosférica a criando um misterioso cenário de névoas. Os seus vales são enormes. Profundos. As encostas, despidas nos seus cabeços, num alinhamento interminável. A água que cai na serra do Açor, separa-se temporariamente, para ser conduzida pelo Alva ou pelo Ceira, rumo ao reencontro no Mondego. No Ceira, viaja num vale apertado, cultivado aqui e ali em pequenas e estreitas insuas; no Alva, junta-se-lhe a água das ribeiras da Mata – na Várzea de Coja e de Folques –, vale de Arganil, para um caminho pontuado de salgueiros, amieiros e freixos, barbos, enguias e trutas, moinhos, lagares e levadas, que levam água à terra sequiosa, incapaz de a armazenar em quantidades suficientes para que as culturas se desenvolvam.
Cada milímetro de terra de cultivo é uma conquista do esforço, do engenho e saber das gentes. Suportadas por muros de xisto, os fragmentos das encostas da serra vão dando, geração atrás de geração, couves, feijão, milho em folhas compartimentadas pela vinha ou pelo olival. É a água que faz mover todo este sistema, nas levadas engenhosamente construídas nos poços, tanques, noras, açudes, picotas; enfim, tudo o que a disponibilize, com a deferência que merece algo gerido colectivamente, partilhado no estio, com base em regras gravadas na memória. O xisto talhado, que após o primeiro Inverno, tanto parece ter um ano como um século, ajudou à integração dos aglomerados urbanos na paisagem envolvente mas, com o avançar do progresso, a abordagem estética ao assunto foi-se alterando, as influências exteriores foram sendo mais efectivas, assistindo-se hoje a uma amálgama cromática, formal e textural em grande parte das aldeias da serra do Açor.
A Benfeita encerra, em si, a magia de um posto avançado, de uma fronteira. Seja qual for a rota escolhida para lá chegar, continuar em frente é entrar numa realidade progressivamente diferente. Pormenorizando, se para trás tivermos deixado Arganil, o Vale do Alva, Secarias, a várzea de Coja, o Pisão e a Dreia, entramos na Benfeita pelo lado Norte, pela zona mais baixa, acompanhando a ribeira da Mata, pela sua margem direita, nunca subindo acima dos 300 metros de altitude. Foi o percurso que escolhemos e é essencialmente marcado pelos campos de cultivo associados às linhas de água e com um incontornável ponto de referência na paisagem, que é o espaço urbano da vila de Coja. Por outro lado, se descobrirmos Benfeita por Sudeste, quer dizer que para trás ficou um percurso em que os valores paisagísticos são fundamentalmente naturais, traduzidos pelo património natural em si e pelas relações panorâmicas inerentes às áreas serranas. Por este lado, desperta-nos os sentidos, a frescura, o movimento e o som da água na Fraga da Pena, o cheiro das giestas e urzes na serra, a cor, a diversidade, a tranquilidade da Mata da Margaraça e o sabor do medronho e do mel no Piodão. Foi este o percurso que fizemos, ao abandonarmos Benfeita.
Por tudo isto e mais alguma coisa e, sofrendo um efeito de orla que a valoriza, Benfeita está, assim, no sítio ideal. Vai buscar urbanidade a um lado e, ruralidade e naturalidade, a outro. O todo resultante é um equilibrado quadro, alvo nas construções que, suave e tranquilamente, se envolve no verde e nos dois cursos de água que se fundem no seu seio, servindo-se do milho, do xisto e da oliveira.
É a meados do mês de Agosto que tem lugar a festa de Nossa Senhora da Assunção, que será talvez uma das mais concorridas e, apesar das festas não terem os mesmos preparativos de antigamente, ainda se mantem a mesma animação. Um dos jogos típicos destas alturas e desta freguesia, é o galo, em que o animal é atado para não voar e, os concorrentes, com os olhos vendados, o tentam matar. No final, todos fazem um petisco. Tradicionalmente, realiza-se, também, a subida a um tronco de eucalipto, que tem, no cimo, um bacalhau. Igualmente, fazem-se outras actividades, como corridas em sacos, de bicicleta e campeonatos de futebol.

Seja o primeiro a comentar

On line

Visitantes

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Vieram cá parar...

Blog protegido anti-cópia

Protected by Copyscape plagiarism checker - duplicate content and unique article detection software.

Direitos de Autor

Estão proibidas quaisquer cópias e/ou utilização de texto e imagens sem prévia autorização do Autor. Para o contactar, utilize, por favor, o respectivo formulário, disponível neste sítio.
Ocorreu um erro neste dispositivo

Top Comentários

Pensamento

Ninguém é pobre, senão de Espírito...

  ©Template by Dicas Blogger. Modificada e adaptada por Joel Pinto

TOPO