Leia mais: http://www.mundodarkness.com/2010/07/codigos-bloquear-conteudo-no-blog.html#ixzz0xHGCB0DY
"Analisa bem quem é teu amigo, porque se o consideras como tal e ele não o for, pode muito bem ser o teu principal inimigo"

Anónimo
_____________________________________________

Amigo

Nunca como hoje, o conceito de amigo se tem banalizado; ouso, mesmo, dizer avacalhado. E porquê? Isso, não sei, mas sou capaz de apontar alguns culpados...

Actualmente, não há rede social (isto também dava um bom post...) que se preze, que não tem lá a indicação do botãozinho "nomear amigo", "apontar amigo", "escolher para amigo"... Acho ridículo, um absurdo, para não dizer pior.


Numa das formações que eu ministro (Comunicar em Segurança), começo logo a apresentação por desmistificar este conceito; afinal, o que significa ser-se amigo, ou ter amigos? Segundo o dicionário de português, um amigo é "aquela pessoa especial à qual estamos ligados por uma afeição recíproca"; um amigo é "aquela pessoa que conhece os nossos segredos e a quem confiamos tudo o que dizemos".

Em contraponto, temos os "amigos" das redes sociais, ou seja, centenas (para não dizer milhares) de desconhecidos, a grande maioria deles que nunca iremos conhecer pessoalmente, mas que referimos como nossos amigos, quando na verdade não passam de nada nem de ninguém (entenda-se como sentimento para nós; nosso). Mas a moda está aí e, pobre de mim contrariar os letrados deste país que concordam com o que lhes é imposto.

Eu, contra mim falo; confesso que não sou nada adepto dessas redes sociais: não tenho hi5, nem tão pouco twitter e muito menos facebook, apesar de receber inúmeros e-mails de pessoas que não conheço e que querem ser minhas "amigas" nesses espaços virtuais. Ao invés disso, criei este blogue (fui dos pioneiros em Portugal) em Dezembro de 2002 e por cá vou andando, dizendo de quando em vez "o que me vai na alma", subtítulo que tenho mantido desde o início.

Não tenho muitos seguidores, nem tão pouco muitos amigos que me seguem; nem por aqui, e muito menos na vida real, mas tenho poucos e bons amigos que sei que estão lá quando preciso deles. Para terem uma ideia aproximava de valores, consigo quantificar os meus amigos pelos dedos de uma mão e ainda me sobram dedos para fazer outras coisas.

Esta minha introdução (sim, o que acabei de escrever foi apenas a introdução) tem a ver com a entrevista dada pelo Cardeal Patriarca à revista Visão. Intitulada "Confissões de um Cardeal", D. José Policarpo confessa o seu desapontamento pelo facto de, Cavaco Silva, nosso presidente da República, ter proclamado a lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

E o que é que isso tem a ver com os amigos? Já lá vamos...
Segundo D. José, aquilo que Cavaco Silva deveria ter feito na altura, era vetar a lei para, e cito-o, "ninguém sabe o que ia acontecer a seguir". Questionado acerca da fé do professor na promulgação da lei, D. José não responde e refere apenas que "seria pronunciar-me sobre uma pessoa de quem sou amigo".

Ora, daquilo que eu entendo que foi publicado é que, as convicções do presidente eram a de vetar o diploma, mas como sabia que ele acabaria por passar no Parlamento, com os votos das bancadas mais à esquerda, o mesmo diploma acabaria por lhe ir, de novo, parar às mãos e ele ver-se-ia obrigado a promulga-lo, o que acabou por fazer numa primeira instância, poupando assim dinheiro aos contribuintes e tempo aos deputados, já de si muito escasso. Mas, e onde eu quero chegar com a minha questão é: até que ponto é que Cavaco Silva, poderia ter-se deixado influenciar pelas posições defendidas pela Igreja, por um lado, e pela sua estreita amizade ao Cardeal, por outro.

Mais, o Cardeal defende inclusive, que o presidente deveria ter vetado o diploma para ver o que ia acontecer a seguir, ou seja, não basta os políticos deste País andarem a brincar com os direitos dos seus cidadãos, e ainda o Cardeal incitava a continuidade da brincadeira, para ver no que isto ia dar.

São comentários destes que destoam numa excelente entrevista, num país que se quer justo e correcto para com os seus. Isto, sem falar noutras posições mais que retrógradas da Igreja, condenadas por padres, bispos e afins, mas que as defendem em nome de um bem maior, segundo eles, que é a própria Igreja.

E enquanto houver alguém a propagar estas mentes mesquinhas, despojadas de conteúdo (os políticos deveriam proteger e beneficiar quem paga os seus impostos atempadamente) e os mesmos tacanhos se mantiverem no Poder, este país não vai a lugar algum...

O desabafo foi longo... Apenas escrevi o que me ia na alma...

Seja o primeiro a comentar

On line

Visitantes

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!

Vieram cá parar...

Blog protegido anti-cópia

Protected by Copyscape plagiarism checker - duplicate content and unique article detection software.

Direitos de Autor

Estão proibidas quaisquer cópias e/ou utilização de texto e imagens sem prévia autorização do Autor. Para o contactar, utilize, por favor, o respectivo formulário, disponível neste sítio.
Ocorreu um erro neste dispositivo

Top Comentários

Pensamento

Ninguém é pobre, senão de Espírito...

  ©Template by Dicas Blogger. Modificada e adaptada por Joel Pinto

TOPO